Projetos

 CINEMUF Caixa d’água

DSC03046

Exibição Filme RIO

O Projeto CINEMUF consiste na exibição gratuita de filmes com abordagem de questões sociais, educativas e lúdicas, no terraço Cultural do Museu de Favela. Através de um computador e um projetor multimídia, os filmes são projetados na caixa d’água que abastece a comunidade do Cantagalo, que desta forma se transforma em uma grande e criativa tela de cinema. Em alguns casos, distribui-se pipoca gratuitamente, a fim de proporcionarmos o clima de um verdadeiro cinema.Toda essa dinâmica gera um atrativo cultural que mobiliza os interesses de jovens, crianças, adultos e idosos, a terem acesso ao lazer cultural coletivo, saudável e criativo.

 

 

Brinquedoteca Brincando no Museu de Favela

DSC_0027_1

Oficina de Contação de Estória

Criada a partir de um edital com a Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro e denominada Brinquedoteca Brincando no Museu de Favela, o espaço fica aberto de segunda a sexta-feira, de 9 às 16 horas para atender crianças, jovens e até adultos. Além de brincadeiras, oferece livros e oficinas de arte e artesanato, proporcionando entretenimento e aprendizagem. Na brinquedoteca, o empréstimo de livros também é possível.

 

 

Biblioteca Itinerante do Museu de Favela

Biblioteca Itinerante – Criada a partir de Edital Pontos de Leitura lançado pela Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro. Esse projeto leva livros até os moradores para empréstimo. “O moço do livro” como ficou conhecido o Colaborador que ajuda nessa ação sai com uma mala pelas ruas da comunidade, às vezes parando em alguns pontos estratégicos, onde promove não só empréstimos, com faz roda de leituras e contação de histórias para crianças, jovens e adultos.

 

 

 

Morro Acima

O Morro Acima é um evento cultural que promove a integração social através da música e tem como idealizadores:

Festa Morro Acima

Qinho – É cantor, compositor e produtor. Formado em Jornalismo pela PUC-Rio, QINHO estreitou os laços com o morro do Cantagalo em 2001 quando apresentou o programa No Gueto na rádio comunitária PanoramaFM e desde então manteve-se intensamente ligado à comunidade. Tem quatro discos de carreira lançados, dois em grupo e dois solo. Participou do festival Back2Black em 2011 e desde 2008 organiza o festival Dia da Rua, que uma vez por ano fomenta a nova cena musical do Rio de Janeiro ocupando a pista da orla de Ipanema, Leblon e Arpoador com 10 shows simultâneos.

Sidney Tartaruga – Nascido e criado no morro do Cantagalo, Sidney é um dos ativistas culturais do complexo PPG (Pavão-PavãozinhoCantagalo) e desde criança esteve conectado à arte. Seu pai, o compositor Joel Silva, teve uma série de canções gravadas pelo mítico sambista Bezerra da Silva, este também um ilustre morador do morro do Cantagalo; Mestre de capoeira pela Associação Capoeira Liberdade, Fundador-Presidente da Associação Cultural Corpo Movimento. Participou da idealização e concepção do Museu de Favela, fazendo parte de seu Colegiado de Diretores. Como percussionista atuou em diversos projetos, entre eles o álbum Combatente do Coletivo Banda Stereo Maracanã e o CD Rio do pianista americano Uri Caine.

 

 

Terraço Cultural do Museu de Favela

Terraço Cultural

O Terraço Cultural do Museu de Favela foi construído com apoio da Secretaria de Estado de Cultura e da Agência Espanõla de Cooperación Internacional para el Desarrollo (AECID)O espaço tem como objetivo promover celebrações e eventos culturais voltados paras as comunidades do Cantagalo, Pavão, Pavãozinho. O Terraço Cultural também recebe locações para eventos internos e externos: festas,casamentos, encontros e seminários.

 

 

O Samba Não Pode “Aparar”

Roda de Calango – Marcelo Eco

O nome sugestivo é uma grande homenagem do Colegiado de Diretores do Museu de Favela ao grande mestre Francisco do Pandeiro ou Chico do Pandeiro, e tem como objetivo enaltecer e reverenciar todos os personagens, cada um na sua época, que fizeram ou fazem parte da história do samba de terreiro ou de quadras, desde os ranchos, blocos, até a agremiação atual.  A proposta é realizar uma roda de samba tendo como anfitriões os componentes da Velha Guarda do Samba dos antigos blocos carnavalescos Unidos do Cantagalo e Alegria de Copacabana, proporcionando lazer e entretenimento aos moradores do Cantagalo, Pavão, Pavãozinho.

O samba que une diferentes classes sociais,
o samba que aproxima a favela do asfalto,
o samba que empolga e é a cara da favela,
o batuque que mexe com ele e com ela,
por isso não perca a roda de samba,
no terraço do Museu de Favela.

Como já dizia Sr. Francisco do Pandeiro: “O Samba não pode Aparar! ”

Faça uma doação